Dia Internacional das Mulheres: homenagem àquelas que fazem a história da nossa Faculdade.

Toque para fechar o menu de navegação

Dia Internacional das Mulheres: homenagem àquelas que fazem a história da nossa Faculdade.


Comemorado nesta segunda, dia 8 de março, o Dia Internacional da Mulher deve ser celebrado pelas conquistas sociais, políticas e econômicas ao longo dos anos e a data é tida como símbolo das lutas e reinvindicações pelos direitos das mulheres contra o sexismo e as desigualdades em relação aos homens há mais de um século.

Nesta data, a reitora e presidente do grupo Dra. Sara M. A. Gouveia Bernardes recebeu uma homenagem em nota publicada pelo Conselho Superior – CONSUP e vale destacar: “A lista das mulheres destacadas e ilustres do Grupo Educacional IESLA-ESJUS é encabeçada pela co-fundadora e atual reitora do Grupo Educacional IESLA-ESJUS, a professora e doutora Sara M. A. G. Bernardes, que vem liderando com competência a comunidade acadêmica em todos os aspectos de uma sociedade transformada por uma pandemia global. Nossa homenageada #1 iniciou sua trajetória como professora aos 15 anos, nas disciplinas de Matemática e Contabilidade, “idade em que recebeu a incumbência de representar os alunos de todo o Sudeste Goiano defendendo seus interesses estudantis à época”, disse o Jornalista e Jurista José Faria, seu professor no 3 ano do Ensino Médio”

Uma trajetória profissional ilustre e que ainda mereceu destaque o seu lado pessoal “Uma humanista que transborda sua essência no ato de educar e empreender para educar. Sua atuação sempre esteve marcada pela relevância social e a preocupação com o ser humano de forma holística. Possui uma liderança reservada e, ao mesmo tempo, oferece uma escuta aberta e atenta ao outro.” destacaram.

Essa data deve ser celebrada por todas as mulheres, em especial ao time IESLA e para representa-las, neste dia, abaixo a transcrição completa da homenagem do CONSUP:

“Parafraseando a Forbes que publicou os nomes das world ‘s 100 most powerful women de 2020, aqui no Grupo Educacional IESLA-ESJUS também temos a honra de destacar as mulheres que estão fazendo história na educação superior do Brasil.

                     
Como disse a primeira-ministra norueguesa Ema Solberg durante uma conferência em novembro de 2020: “Os países democráticos onde os direitos humanos são respeitados e onde as mulheres podem alcançar posições de liderança na sociedade também são os países mais bem equipados para lidar com as crises pela Covid-19.”


A lista das mulheres destacadas e ilustres do Grupo Educacional IESLA-ESJUS é encabeçada pela cofundadora e atual reitora do Grupo Educacional IESLA-ESJUS, a professora e doutora Sara M. A. G. Bernardes, que vem liderando com competência a comunidade acadêmica em todos os aspectos de uma sociedade transformada por uma pandemia global. Nossa homenageada #1 iniciou sua trajetória como professora aos 15 anos, nas disciplinas de Matemática e Contabilidade, “idade em que recebeu a incumbência de representar os alunos de todo o Sudeste Goiano defendendo seus interesses estudantis à época”, disse o Jornalista e Jurista José Faria, seu professor no 3 ano do Ensino Médio.

Galardoada com diversos troféus e prêmios ao longo da sua trajetória, Dra. Sara Bernardes estreou na literatura ainda muito jovem. E seus olhos brilham quando ela menciona o Prêmio Goiano oferecido pelo Banco do Brasil por sua colocação em 1. Lugar no Concurso de Poesias em que participou aos 16 anos, por seu primeiro livro de Poesias publicado com o título Som da Alma.

Uma humanista que transborda sua essência no ato de educar e empreender para educar. Sua atuação sempre esteve marcada pela relevância social e a preocupação com o ser humano de forma holística. Possui uma liderança reservada e, ao mesmo tempo, oferece uma escuta aberta e atenta ao outro. Seu currículo exibe uma extensa trajetória acadêmica e profissional, que denota talento, disciplina, objetivos e, sobretudo, arte. Autora de uma dezena de livros, é doutora em Ciências Jurídicas e Sociais, possui dois pós doutoramentos e há mais de 15 anos resolveu empreender no setor educacional. A expertise em gestão da Educação Superior e a Docência do Ensino Superior, além dos conhecimentos como pesquisadora nas áreas da Educação, Direito, Psicologia e Neurociência lhe entregou a preparação e o conhecimento estratégico necessários para a construção do ecossistema educacional IESLA-ESJUS, que conta com uma filial nos Estados Unidos, a IESLA World University. Em sua agenda diária, que inclui seus compromissos maternos, ainda encontra tempo para orientar teses doutorais, manter projetos voluntários e filantrópicos em defesa da criança e do adolescente e, como hobby, gosta de tocar Schubert e Bach ao piano. 

Para aqueles que transitam as salas de reuniões, aulas e laboratórios do IESLA-ESJUS é fácil reconhecer a autoria dessas palavras que abaixo transcrevo:

“Temos a visão de que melhorando o ser humano, melhoramos a nação, sentimos que podemos dar a nossa contribuição para a formação de um país mais educado, mais sábio, mais justo e mais progressista.
É um trabalho em dinamismo permanente, com base em uma missão que olha para a pessoa como centro, com a consciência de que é onde as mudanças profundas acontecem e onde é preparada a base sólida para o desenvolvimento do futuro”, afirmou a reitora Sara M.A.G Bernardes em uma entrevista oferecida à Revista Veja.

Ao longo da história as mulheres vêm expressando sua voz. Algumas armadas com rifles, outras armadas com a caneta: mulheres que lutaram muito por algo em que acreditavam e que provavelmente nunca serão estampadas em uma camiseta.


Todo o mundo conhece homens revolucionários como Che Guevara, mas a história geralmente tende a polir as contribuições de mulheres revolucionárias que sacrificaram seu tempo e suas vidas na luta contra sistemas e ideologias. Apesar dos falsos conceitos a respeito, existiriam milhares de mulheres que participaram em revoluções ao longo da História, com muitas delas exercendo papéis cruciais. Elas podem vir de diferentes espectros políticos, algumas armadas com rifles e outras armadas com nada além da caneta, mas todas lutaram muito por algo em que acreditavam.


Todos nós temos exemplos de mulheres revolucionárias de todas as partes do mundo, que provavelmente nunca estarão estampadas em uma camiseta.

Nadezhda Krupskaya é uma delas. Muitas pessoas conhecem Nadezhda Krupskaya apenas como a companheira de Vladimir Lênin, mas Nadezhda foi uma política e revolucionária bolchevique graças a seus próprios esforços. Ela estava imensamente envolvida em uma variedade de atividades políticas e projetos educacionais – inclusive servindo como Ministra Interina da Educação na União Soviética de 1929 até sua morte, em 1939. Antes da revolução, ela serviu como secretária do jornal político Iskra, gerenciando toda a correspondência que atravessava o continente europeu, muitas das quais tinham que ser codificadas. Depois da revolução, ela dedicou sua vida à melhora nas oportunidades educacionais para trabalhadores e camponeses, como por exemplo, sua luta para tornar as bibliotecas disponíveis para toda a população.


Nossa homenagem também às demais importantes e nobres mulheres que fazem a história do Grupo Educacional IESLA-ESJUS. Às que já não estão conosco, àquelas que fazem parte desse presente, sejam elas alunas, professoras, orientadoras, pesquisadoras, membros do corpo técnico-administrativo, palestrantes, parceiras, brasileiras e internacionais. Sintam-se homenageadas e honradas pelo Grupo Educacional IESLA-ESJUS.

Através de vocês, nas palavras da nossa fundadora e reitora, Dra. Sara Bernardes, vocês fazem “os nossos dias mais sábios e felizes”.”

Feliz Dia Internacional da Mulher!